sábado, 28 de março de 2009

Grotesco é elogio!

Foto: Leonardo Berenger (Folha da Manhã)
capturada no blog Eu penso que...
A imagem acima já rendeu uma simpática comparação à de um boneco de Fred Flinstone, proposta pelo jornalista Ricardo André Vasconcelos ("Iabadabadúúúúúú"), e uma charge a Gilberto Assad, publicada hoje no jornal O Diário.
Como se vê, trata-se do deputado federal e ex-prefeito de Campos dos Goytacazes Arnaldo França Vianna. Ele mostra a marca deixada por uma cirurgia na vesícula –operação por que passou na semana que termina hoje– e, de quebra, a pança enorme, inspiradora da legenda elaborada para acompanhar a foto no jornal no qual foi estampada ("E a dieta?").
Aí está mais um apelo à comoção do povo –expediente muito utilizado pelo político–, comparável àquela cena dele doente na janela de um hospital para cumprimentar os presentes à frente do estabelecimento, durante as eleições municipais de 2004. Ou àquele seu retorno a Campos em 2001, quando, após ser operado por conta de um aneurisma cerebral, entrou na cidade na carroceria de uma caminhonete, barbado e cabeludo, escoltado por uma carreata. Mas, definitivamente, desta vez, o parlamentar inelegível superou não apenas ele mesmo, mas também seu outrora líder e hoje maior desafeto, Anthony Garotinho, que parecia imbatível no quesito apelação com aquela sua greve de fome no período pré-eleitoral de 2006.
Considerando que grotesco é palavra já há muito elevada ao status de importante categoria analítica, manejada por teóricos como Mikhail Bakhtin e Muniz Sodré, recorrer a tal termo para classificar o flagra ora em apreço seria um crime de lesa-academia. A cena é ridícula mesmo!
Dá até para sentir saudade daquela propaganda de tevê do extinto parque temático Thermas Aqua American protagonizada por Dom Américo (à época certamente Oswaldão), na qual o cantor aparecia no alto de tobo-água trajando apenas uma sunga e balançando sua gigantesca barriga flácida... Alguém aí se lembra disso?
Atualização (29/03 – 08:35): correção do texto e inclusão de mais um episódio da trajetória de apelações de Arnaldo Vianna.

6 comentários:

TEQUILA E AFINS disse...

Há, há, há... poderia ser uma criatura de Júlio Vernes, ou quem sabe o monstro do Lago Ness!!! Infelizmente é uma figura bizarra da política "populista" de Campos que mais uma vez apela para um argumento que, creio eu, nem o povo aguenta!
Abraço!
Leandro Tavares

Gustavo Landim Soffiati disse...

O pior é que penso que aguenta, sim.
E aí: você também se lembra da propaganda protagonizada por Oswaldão que mencionei?
Um abraço.

TEQUILA E AFINS disse...

Caro colega, infelizmente sim... hehehe... essa é uma das desvantagens de ser um prof de história!
E vc se lembra de outras em q ele participou?! Nossa, era tosco demais!!
Abração!

Gustavo Landim Soffiati disse...

Lembro-me, sim, de outras propagandas, como aquela da FEP, por exemplo. Não considero isso uma desvantagem de quem é professor de História. Em casos como esse, o jeito é rir.

Xacal disse...

Me lembra aquela séria: Carnevale, com seu circo de horrores...o problema é que em nosso circo não há nem um anjo entre nós...

Erik Schunk disse...

Amigo, concordo é totalmente ridiculo!
Porém, continuo achando que pela dimensão que Garotinho ocupava na política nacional o ridiculo foi bem maior naquela "greve de fome" em que ele não perdeu nem um Kg...
Um grande abraço!